Trabalho de Hércules

(No "Sempre aos domingos" de hoje, o leitor Felipe Rangel conta a odisséia que viveu para conseguir um ingresso)

 

Conseguir ingressos para o jogo contra a Coréia do Sul, pela Liga Mundial de Vôlei, foi um trabalho de Hércules. Quem fica na fila - longa e demorada, porque o portão de acesso à bilheteria era liberado para apenas uma pessoa por vez - teve de conviver com informações conflitantes sobre a disponibilidade das entradas.
 
Por volta das 14h20, soube que se esgotaram as arquibancadas para a sexta. Quando cheguei perto do portão, o que havia acabado eram as cadeiras de sábado. Conformável, se um cambista não perambulasse oferecendo o tal setor.
 
Como se nada bastasse, os "organizadores" resolveram separar quem compraria para sexta de quem queria ir ao jogo de sábado. E eu, que queria ingressos para os dois jogos, fiquei vendido no lance. Me mantive na mesma fila... conformado com cadeira na sexta e arquibancada no sábado.

Apesar de tudo, ainda sou a favor de que o Brasil sedie competições internacionais. Mas coisas assim precisam ser revistas.
 
O assunto é batido. Mas acho importante continuar batendo. Porque o estatuto do torcedor não está se fazendo valer. E o amante do esporte vive assim condenado ao Deus-dará. Julguei o seu canal importante para divulgar esse eterno abuso.


 
Felipe Rangel